sábado, 7 de julho de 2018

A noite cobre



A noite cobre como um manto
os vagantes translocados
os noturnos viciados
e os insomnes sem cura.

Aos que dormem tranquilos:
Não sabem nada
da noite.

quinta-feira, 5 de julho de 2018

Prática I

Fazer-se perdido
.................em lugares conhecidos
.................................
Um minutos de fluxos
..................................
Oxigenação do ânimo.
................................
Meditação da alma
.....................................
Ser pequena e fina linha
....................da grande teia dos
...........................acontecimentos
Por um minuto a mente é um duto.
............................................
Da condenação do universo.










16

sábado, 19 de maio de 2018

fotografias e J. A. Figueroa

As buscas por Marti no dia de sua morte me rendeu uma belas fotos cubanas.

https://miscelaneapontual.wordpress.com/2018/02/19/jose-a-figueroa-hermosura-y-revolucion/















Imagem relacionada






Um grão de poesia basta para perfumar todo um século.

Uma escola é uma forja de espíritos.

Esqueço o meu mal quando curo o mal dos demais.


sexta-feira, 18 de maio de 2018

Amigo é Para Essas Coisas - Emílio Santiago e João Nogueira (1979)

Sobre esses rios. O Pajeú.



Fagner Riacho do Navio ao Vivo


Riacho do Navio
Corre pro Pajeú
O rio Pajeú vai despejar
No São Francisco
O rio São Francisco
Vai bater no mei do mar



Sem rádio e sem notícia
Das Terra civilizada

[image002[6].jpg]





[image006[5].jpg]

sábado, 5 de maio de 2018

A sensibilidade pessoal universal de Vallejo






POEMA PARA SER LIDO E CANTADO

Sei que há uma pessoa
que, dia e noite, me busca em sua mão,
encontrando-me, a cada minuto, em seu calçado.
Ignora que a noite está enterrada
atrás da cozinha com esporas?

Sei que há uma pessoa composta de minhas partes,
que eu completo sempre que o meu vulto
cavalga sua exacta pedrazinha.
Ignora que ao seu cofre
não voltará nenhuma moeda que saiu com seu retrato?

Sei o dia,
mas o sol escapou-me;
sei o acto universal que fez na cama
com alheia coragem e essa água morna, cuja
superficial frequência é uma mina.
Tão pequena é, acaso, essa pessoa
que até seus próprios pés assim a pisam?

Um gato é a fronteira entre eu e ela,
mesmo ao lado de sua malga de água.
Vejo-a pelas esquinas, abre e fecha
sua veste, antes palmeira interrogante...
que poderá fazer senão mudar de pranto?

Mas ela busca-me, busca-me. É uma história!

Cesar Vallejo

File:Grave César Vallejo.JPG